sábado, 13 de setembro de 2008

Brincadeira de Letras e Autores

Vamos parar de brincar de BilacÉ preciso descer o Machado
Sem Éça de fazer Drumond com a vida
É preciso ironizar, Tomas iniciativas,Gonzaga da cara de MariliaCom aquela historia de Dirceu, tudo de novo! de NEO!
É preferível a Cecília ou o Manuel. Levemos essa Bandeira.
Se é pra trabalhar as palavras portuguesas, vamos lá
Vamos arregaçar as mangas e pegar as letras Camões.É melhor ter fé na do Pessoa ou arrogar de poder e descrença,
de Saramago de palavras.
É preciso sair do pais das maravilhas de Clarice Deixar a poltrona, de ser LispectadorE usar a Ucrânia para pensar o Brasil do português e
Fazer o português do Brasil.
Amado seja, salve Jorge que Gracilia nos Ramos da letra nordestina.
Tonando-a concreta, férrea, Ferreira e juGular, As vezes, cientifica, Euclidiana, Cunhada de Verissimolhança, retratando o sul e o grande Sertão.
Sertão com veredas e Rosa, numa travessia por vales e morros de linguagem cabal e Cabral, sem fala Melosa, uma fala onde palavras saem da boca como pedras quentes. Seguimos numa travessia concreta, Severina, do sertão ao litoral, da capital-vila que quer sê-vilha, mas também provinciana, pernambucana e brasileira.


Autor Francisco Antonio Rocha Feitosa

Nenhum comentário: